Connect with us

Review

Review de Round 6 | Que os jogos comecem

Veja agora a origem e a crítica a Round 6, nova premissa da Netflix que alcançou fãs no mundo todo.

Published

on

Veja agora a origem e a crítica a Round 6, nova premissa da Netflix que alcançou fãs no mundo todo.

Round 6, ou chamado em outros lugares como Squid Game, é a série de maior sucesso na Netflix da atualidade, pois entrou em primeiro lugar na lista de mais acessados da plataforma em todos os países que o sistema é disponível.

Não dá para negar que virou a série mais rentável até então. A trama não se remete a um todo para uma pequena síntese, veremos que ela demonstra tanto visões sociais, relações emocionais, e uma remessa de verdade que muitos passam ao redor do mundo.

VEJA NOSSA ANÁLISE EM VÍDEO, SE PREFERIR:

CONFIRA: Round 6 🎥 Veja Antes de Assistir • REVIEW part. LUMIJEAN

A origem e história de Round 6

Em uma tradução direta Squid Game significa  “jogo da lula”  Sendo assim, o nome remonta para uma brincadeira que o diretor jogava quando era mais novo. Esse jogo pode ser visto no último desafio da série.

Round 6, que é o nome pela qual a série ficou conhecida no Brasil, é basicamente o número de jogos que os jogadores têm de realizar para ganhar o prêmio monetário.

Round 6 foi recusado por 10 estúdios. Depois de saber do sucesso da série, alguns desses estúdios devem estar remoendo, afinal de contas, esta série é um grande sucesso na Netflix.

Tudo começou em 2008 quando o escritor de Round Six havia terminado de escrever o roteiro da série. Durante esse tempo, foi contado que o escritor foi obrigado a vender o computador para acabar o roteiro.

No entanto, depois da Netflix aceitar o acordo com o escritor, ainda levou vários anos para a série chegar na plataforma de streaming. Em uma entrevista, o roteirista da série disse que escreveu o roteiro de Round Six para um filme e não para uma série.

E faz até muito sentido, Hwang Dong Hyuk é conhecido por vários de seus filmes, que são sucesso um pouco por todo o mundo, mas nada comparado com a nova série da Netflix.

Vale a pena assistir Round 6? A minha opinião!

Round 6: Netflix causa problema para comerciante por cena da série, oferece  indenização, e é criticada por valor - Hugo Gloss
Protagonista de Round 6.

Sinceramente, é uma série que te prende do início ao fim, mesmo algumas sub-tramas serem detestáveis, várias outras se sobressaem. 

A série tem o fator principal de mostrar que as pessoas quando colocadas são a prova, fazem coisas inacreditáveis, seja pelos seus interesses ou por instinto de sobrevivência. Várias cenas são absurdas de boas, outras são um misto de sentimento e temos aqueles, que infelizmente são desnecessárias explicarem, por serem muito óbvias. Penso que esse fator é para trazer um ar “mais leve“. 

Também aprendemos muito nessa série, com suas reflexões, são muitas lições que podem ser aplicadas em muitas áreas de nossas vidas. A série é muito boa, esse mérito é indiscutível. 

Agora, focando como um todo, alguns quesitos me soam obsoletos, que na minha visão são as visões políticas. Ela se perde muito nesse quesito no meio da série, e só teremos outras dessas questões no fim da série. 

É uma série muito diferente do que eu estava esperando, mas originalidade não há, em vista de que esta premissa é utilizada em outros gêneros, ou seja, personagens se matando para alcançar um prêmio em dinheiro. 

Confira também: Review de Trader Life Simulator | Uma boa ideia desperdiçada

Talvez o que a torna cativante, ainda mais para o público adolescente, seja pelo visual “dorama” que estamos acostumados em ver em premissas coreanas, e existe um público assíduo em todo mundo. Ao meu ver, esse visual incomodou alguns assinantes mais velhos, e por isso o criticam sem pensar. Mas é aquilo né?

A série é bastante violenta em certas partes e tem algumas cenas muito explícitas. Se você realmente quer saber se vale a pena seu tempo, eu digo que sim, foi uma ótima experiência e que alavancou fãs no mundo todo, que esperam ansiosos por uma continuação.

Enfim, gosta do Portal Viciados? Contamos contigo! Siga-nos no Google Notícias. Clique aqui e depois em Seguir. Também faça parte da discussão no Facebook e no Twitter.

ESTE É UM ARTIGO DE OPINIÃO E PODE NÃO REPRESENTAR A VISÃO DEFENDIDA POR ESTE VEÍCULO ACERCA DO TEMA TRATADO.

Co-fundador e redator da Viciados. Estou aqui para escrever. Meio óbvio?

Advertisement

Confira também