Connect with us

Games

Reviravoltas nas plataformas de jogos sociais apontam para algo maior?

O Youtube Gaming não fez frente ao Twitch e foi encerrado no ano passado.

Avatar photo

Published

on

Reviravoltas nas plataformas de jogos sociais apontam para algo maior? 2022 Viciados

No começo de julho deste ano, foi revelado pelo Stramlabs e pelo Stream Hatchet que o Twitch quebrou mais um recorde de horas assistidas de conteúdo: o aumento foi de 83,1% em relação ao ano passado. 

Obviamente, a condição de confinamento durante a pandemia deu um “empurrãozinho” nas transmissões de jogos, mas parte dessa adesão pode vir para ficar até mesmo depois da superação deste momento no mundo.

O número do Twitch impressiona não apenas porque o trimestre passado já tinha registrado um recorde de audiência na plataforma: a divulgação dos bons números veio poucos dias depois de um anúncio negativo da Microsoft. A gigante de tecnologia anunciou no dia 23 que estava encerrando a atividade no Mixer, uma plataforma similar ao Twitch, na qual influenciadores disputavam por atenção enquanto jogavam.

Até aí, tudo bem. O Mixer dificilmente poderia ser considerado um prodígio do ramo em que atuava se comparado ao Twitch ou ao YouTube Gaming. É claro que o fracasso foi sentido depois de a empresa torrar US$40 milhões na contratação de Richard Tyler “Ninja” Blevins e Michael “Shroud” Grzesiek – além de ter considerado contratar também o youtuber PewDiePie.

A parte realmente surpreendente no abandono do barco do Mixer foi a comunicação de que todos os produtores de conteúdo da empresa migraram para o Facebook Gaming.

Briga de cachorro grande

Os jogos sociais são um fenômeno recente, mas muito forte no mundo atual – e vai muito além da comunidade gamer de consoles. Na verdade, o nome “jogo social” não é muito preciso, mas geralmente se refere aos jogos online em redes sociais, em que o modo multijogador interativo é importante.

Depois do naufrágio da Mixer da Microsoft, podemos afirmar que as redes sociais para jogos e transmissões streaming, hoje, concentram-se em três grandes empresas de tecnologia: Google, Amazon e Facebook – a Amazon é a controladora do Twitch e a Alphabet (empresa-mãe do Google) é dona do YouTube Gaming.

Se o Twitch é o campeão de audiência e nasceu enraizado na proposta de transmitir jogos para aficionados, o Facebook vem correndo por fora, com uma comunidade de usuários que atinge literais bilhões de pessoas – e muita capacidade para investir numa estrutura de interação do streaming, baseada em jogos internos e externos.

Por outro lado, o Facebook vem encontrando dificuldades em publicar seu aplicativo do Facebook Gaming na App Store. Até o momento, a distribuidora de aplicativos da Apple vetou a publicação do programa pelo menos cinco vezes. É uma verdadeira guerra entre as empresas de tecnologia.

Estado atual 

Quando grandes empresas de tecnologia brigam, alguns resultados podem ser observados. A cópia generalizada das funções que funcionam e o descarte do que é percebido como supérfluo acontecem rapidamente. 

Outro resultado comum é a criação de uma porção de inovações, empurradas em conjunto sobre os consumidores. Em resumo, podem estar vindo grandes mudanças na maneira como se joga socialmente e como se assistem transmissões das diversões.

O Twitch é a atual plataforma que lidera em horas de vídeos assistidas. Ela tem algumas vantagens óbvias: o DNA de transmissão de jogos desde sua criação, uma comunidade de gente realmente interessada e familiarizada com a mecânica da plataforma. 

Além disso, ela tem os criadores de conteúdo mais “chavosos”. Não importa o quanto os rivais invistam para atrair streamers, o Twitch segue sendo o mais “legal”. Por outro lado, essa é uma fraqueza da plataforma: o sistema ruim de recomendações e de apresentação de novos nomes. É preciso ser grande dentro da plataforma para ter alguma chance de expandir ainda mais sua audiência.

Nesse aspecto, o YouTube tem algoritmos mais eficientes em personalizar as recomendações, sem precisar apostar só nas opções mais populares para impulsionar tráfego.

Enfim, ainda tem muita coisa a digerir na absorção do Mixer pelo Facebook Gaming. Resta saber se a transferência de pessoal será um bom alimento à rede social de Mark Zuckerberg.

Administrador, Jornalista e Redator do Portal Viciados. Sou fã da Rockstar Games (Grand Theft Auto 5, GTA 6) no entanto, também acompanho notícias e rumores de outros jogos e serviços como PS Plus e GamePass.

Advertisement

Confira também