Ligue-se a nós

Hacking

Microsoft detecta CCleaner como MALWARE

O programa forçava a coleta de dados de usuários sem pedir permissão.

Publicado

no

Malware

Quem é que nunca usou um programa para auxiliar na limpeza do PC/celular ou ajudar a manter a performance da máquina? Pois bem, agora um desses programas, está sendo acusado como vírus pelo antivírus da Microsoft.

Um dos programas de limpeza de registro, histórico e arquivos temporários mais usados na América Latina está sendo acusado der ser um Malware (programa malicioso).

CCleaner otimizando arquivos.

As ações da Piriform (empresa responsável pelo CCleaner) começaram a cair quando o programa forçava a coleta de dados de usuários e atualizava o programa automaticamente sem pedir permissão.

Microsoft Forums
Usuário dizendo que o CCleaner foi atualizado sem pedir permissão.

Em 2019 a Microsoft baniu o CCleaner de seus Fóruns da Comunidade, pois os links para o programa estavam sendo censurados sem motivo algum.

CCleaner Ban

A proibição ocorreu simplesmente porque a empresa afirma que programas que prometem limpar o sistema, podem causar mais mal do que bem nos sistemas Windows e não quer que seus usuários corram “riscos” ao utilizar seus sistemas.

Após um certo tempo, a AVAST soltou o seguinte posicionamento: “Descobrimos que o Windows Defender classificou recentemente a versão gratuita do CCleaner e algumas outras de nossas ferramentas e ferramentas de nossos parceiros como “Software Potencialmente Indesejável”. Os nossos produtos e os produtos de nossos parceiros são genuínos e, por isso, estamos em contato com a Microsoft para resolver esta questão o mais rápido possível“.

Vale sempre ressaltar que todo e qualquer tipo de programa baixado da internet pode conter softwares maliciosos que de alguma forma, podem vir a causar danos irreversíveis aos usuários.

Por isso sempre é recomendado o uso de antivírus (que embora não sejam 100% eficazes) sempre auxiliam o usuário quando alguma ameaça é detectada.

FONTE: Bleeping Computer

Anúncio
💬 Comentários | Clique aqui para ver e comentar

Em Alta